Clique no seu signo para saber qual o seu Orixá regente

HORÓSCOPO VIRGEM - 23/08 à 22/09
O signo de Virgem é um dos mais mal compreendidos do zodíaco seu elemento é a terra e seu planeta é Mercúrio.
O segredo dos virginianos é a capacidade de ver as coisas pequenas e o compromisso com a perfeição, significa aperfeiçoamento e qualidade daquilo que é feito.
Se você pertence a este Signo faça uma consulta de Ifa através do jogo de búzios para saber qual é o seu Orixá de cabeça e receba o mapa astrológico de seu signo ascendente.

 

 

Horóscopo e os Orixás

 

 

 

 

 

Símbolo: Um de seus significados representa um animal com a cauda abaixada, protegendo o órgão da geração. Virgem indica o repouso à castidade. Não há mais a fecundação da matéria e sim do espírito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mito de Virgem   Perséfone

 

 

A fuga de Virgem à vida e o rapto de Perséfone
Em muitos lugares essas sacerdotisas eram prostitutas sagradas, que se davam a estranhos e aos fiéis adoradores da deusa. O termo "virgem" era claramente usado no sentido original de não casada, pois essas mulheres eram comprometidas com o serviço da deusa, e seu sexo, sua atração e seu amor não eram para ser usados para sua própria satisfação, ou em função de propósitos comuns da vida humana.

Não podiam unir-se a um marido, pois sua natureza de mulher era dedicada a um propósito superior, o de trazer o poder fertilizador da deusa para o contato efetivo com a vida dos seres humanos".

Assim a psicóloga junguiana Maria Esther Harding (1985) se expressa sobre as vestais, virgens sacerdotisas entregues aos serviços da deusa Vesta, princípio universal de fecundidade e reprodução.O mito de Virgem nos leva diretamente, entre outras figuras mitológicas, a Perséfone (filha de Deméter, deusa da agricultura e da fecundidade, Ceres para os romanos), raptada por Hades, o deus do mundo subterrâneo e das almas dos mortos.

Deméter era, por toda a Grécia mas com variantes de região para região, a deusa das colheitas e da fecundidade da Terra: filha de Cronos e Réia, era essencialmente a deusa do trigo, tendo ensinado aos homens a arte de semeá-lo, colhê-lo e, com ele, fabricar o pão. Com Zeus, teve Perséfone, a "virgem eternamente jovem".

Um dia, quando Perséfone (já mulher, mas eterna adolescente) brincava entre as ninfas e suas tias Ártemis e Palas Atena, seu tio Hades a raptou: decidido a transformá-la em sua esposa, atraiu-a com um narciso ou um lírio (ali colocado pelo próprio Zeus) e, saindo de seu reino em uma carruagem puxada por cavalos negros, arrastou-a para o mundo subterrâneo.
                                           
Perséfone gritou, Deméter correu em seu auxilio, mas ao chegar ali nada encontrou nem soube do que havia ocorrido. Por nove dias e nove noites vagou com um archote, procurando-a, consumida de saudade. Finalmente, Hélios, deus que tudo sabia, cientificou-a do acontecido. Profundamente magoada com o sucedido, Deméter recolheu-se ao interior de um santuário, negando-se a retornar ao Olimpo e a permitir que a Terra fosse fecundada, enquanto Perséfone não voltasse ao seu convívio.
                                            
Com isso a Terra ficou sem vegetação, as colheitas se interromperam e o equilíbrio das estações foi rompido. Zeus, intercedendo junto a Hades, solicitou-lhe que permitisse que sua esposa voltasse à superfície, pois os homens corriam o risco do desaparecimento por fome. Hades, por fim, concedeu que Perséfone passasse oito meses por ano com sua mãe, no Olimpo, ficando os outros quatro com seu marido no Reino do Mundo Subterrâneo. Conseguindo a filha de volta, Deméter retornou ao Olimpo e a Terra imediatamente cobriu-se de verde.Desse episódio mítico nasceram os mistérios de Elêusis (cidade localizada a vinte quilômetros de Atenas), cujo significado maior era o rapto de Perséfone e sua descida ao Hades como morte simbólica, seguida do retorno glorioso - como a semente que morre no seio da Terra e, ao retornar, multiplica-se em muitos e novos frutos (como a romã, fruta dedicada ao deus do subterrâneo).

O mito dos virginianos sempre nos remete a uma história da relação "mãe e sua filha"; se for mãe-filho, este a experimentará através de sua Anima ou de outras mulheres; como diz Jung, (1977). "toda mãe contém em si sua filha e toda filha, a sua mãe (...) A experiência consciente desses laços dá a sensação de que sua vida se estende por gerações, o que dá a impressão de imortalidade".

O virginiano nasce em um mundo amplamente dominado pela figura materna, que vive na época uma fase crítica em relação à própria sensualidade e corporalidade; assim, ao lidar com a criança recém-nascida, essa mãe lhe transmite a sensação de seu corpo não ser algo "gostoso de se tocar".

Isso cinde profundamente o virginiano (seja homem ou mulher), pois a forte sensualidade presente nas pessoas que têm Virgem no seu signo de nascimento se negam a manifestar-se futuramente.

Como resultado, o virginiano inclina-se profundamente à racionalização e se esquiva de viver sua sensualidade e corporalidade (a primeira dimensão vital concreta) às últimas conseqüências, tentando manter-se imune aos apelos da Vida até o momento em que a Vida, como Hades, se intromete e o obriga a enfrentar a experiência vital de forma mais plena.

Isso explica a duplicidade encontrada com freqüência no signo, perceptível no embate entre uma timidez e uma pudicícia muito fortes, de um lado, e o que se poderia chamar de comportamento sensual não ortodoxo, de outro.

Outra figura mitológica que encontramos ligada a este signo e que nos ajuda bastante a entender os aparentes paradoxos vividos pelo virginiano é a da deusa Astréia.

Que representava o principio da justiça e da Harmonia.

Essa deusa, filha de Zeus, vivia na Terra entre os homens, numa época em que a Humanidade não conhecia desavenças nem desordens, ensinando a obediência às leis naturais.

Com a gradual corrupção humana, entretanto, Astréia irritou-se com a Humanidade e deixou a Terra, indo para o Olimpo e transformando-se na constelação de Virgo.

Ela simbolizava, assim, a ordem intrínseca da natureza, e sua irritação com a Humanidade é o símbolo mítico do profundo desgosto virginiano por desordem, caos e desperdício de tempo ou recursos: todas as coisas têm seu lugar certo, encadeadas no tempo, em ciclos naturais de rara harmonia, donde também a inclinação virginiana a ritos de justiça e reimplantação da ordem algum dia profanada e o seu extremo criticismo a tudo aquilo que lhe parece fora de lugar ou em desarmonia.

Em sua fase imatura, o virginiano (ou a virginiana) mantém-se distante da própria capacidade de amar e de viver; tendo sido submetida a muitas críticas no lar materno e ao afastamento das próprias sensações corporais, a pessoa duvida de si mesma e inclina-se poderosamente a relações de muito trabalho e pouca paga, - quer do ponto de vista profissional, quer do ponto de vista emocional-afetivo. A força da deusa, porém, pressiona por manifestar-se e o virginiano muitas vezes termina por viver em sua vida o papel de Sereia, envolvida num ritual narcíseco de amor por si mesma - a deusa síria Astargates, em muitos aspectos semelhante a Deméter, era simbolizada como um ser com corpo de mulher e pernas em rabo de peixe.(Não custa lembrar que as sereias eram figuras míticas que se dedicavam a dois prazeres: observar-se no espelho das águas, num ritual de amor narcíseo, e cantar para os viajantes que por elas passavam, para que estes, não conscientes dos rochedos onde as sereias se postavam, naufragassem na tentativa de amá-las...).

Mas, como lembra Maria Esther Harding ao se referir à inclinação feminina nos mistérios do próprio corpo, "quando ela renuncia a suas pretensões pessoais, a energia e a libido, que a princípio tinham propósitos individualistas, fluem para um lado feminino verdadeiro - para o qual ela fez o sacrifício (...) Dessa experiência nasce o poder de amar o outro.

Antes de submeter-se a tal iniciação, seu amor não é mais do que desejo. Ela não pode mesmo ver a diferença entre "eu te amo" e "eu quero que me ames'" não pode diferenciar entre "eu te amo" e "quero a satisfação que podes me dar". Quando tiver passado por uma experiência interior análoga à antiga prostituição no templo, os elementos do desejo e da possessividade terão sido abandonados, transmutados através da apreciação de que sua sexualidade e seu instinto são expressões de uma força divina, cuja experiência tem um valor inestimável, bastante distantes de suas satisfações no plano humano.

É impossível explicar a transformação que acontece quando o amor instintivo é aceito e assimilado dessa maneira, continua a psicóloga, "pois trata-se de uma dessas mudanças misteriosas e inexplicáveis que pertencem ao reino psicológico, o reino onde o físico e o espiritual se encontram ( ... ) No entanto, é claramente observável que, através de uma experiência desse tipo, o amor emerge, um amor que vê a situação da outra pessoa e pode altruisticamente simpatizar-se e apreciar".
"Afirma-se que a deusa Lua, em seu papel de prostituta, possui essa espécie de amor", finaliza Maria Esther Harding (1985). "Ishtar (deusa babilônica análoga a Deméter/Perséfone, com seus múltiplos selos e seu papel de fecundadora de colheitas e da Natureza) apresenta-se assim: "Uma prostituta compassiva sou eu".

Compaixão também é uma das principais características da Virgem Maria, que, embora nunca tenha sido considerada uma prostituta sagrada, tinha certamente experimentado uma submissão correspondente, através da qual ganhou seu título de Virgem. O amor que nasce da iniciação no templo tem a característica maternal: as lendas e os mitos são unânimes em afirmar que a deusa, como virgem, concebe através de uma concepção imaculada. O resultado do hierosgarnos (casamento sagrado) é a virgem engravidar; seu filho é o Herói , o Salvador, o Redentor. É o deus-homem, participando tanto da natureza do homem como da de deus.

Psicologicamente, essa criança representa o nascimento de uma nova individualidade, que substitui o Ego da mulher, sacrificado através do ritual do templo. O mesmo vale para o ritual masculino virginiano, quando ele se integra a si mesmo através da maturação de seu núcleo feminino sensual e do abandono das expectativas coletivas em prol da força da própria vida que corre em suas velas. Deixa de fazer "o que é aceitável" (o que sempre exige muita autocrítica), abandona a compulsão pelo "seguro" e mergulha nas profundezas de si mesmo, isolado e solitário - de onde renascerá como filho natural de seu próprio "casamento interior".

Porque se "maternidade", no sentido mais amplo da palavra, é dar à luz o fruto da própria capacidade criativa, então esse mito se aplica a virginianos de ambos os sexos, pois todos são verdadeiramente compelidos a mostrar publicamente, de forma concreta e expressiva, de quanto são capazes.

Ao fazer isso, "matam" a Sereia que vive dentro de si mesmos, pois a realização material elimina qualquer possibilidade de perfeccionismo - em função da qual existia o criticismo exacerbado em relação a si e aos outros.

Com o desaparecimento do narcisismo, em função da aceitação do outro como pólo essencial para a plena realização da identidade (já que a vivência de sensualidade não consegue se dar isoladamente), a possibilidade de amar se manifesta de fato - seja esse outro quem for, como o faria a sacerdotisa da deusa, pois o núcleo mítico de Virgem não reconhece a submissão a "marido" ou "mulher" como norma ou fonte principal do encontro consigo mesmo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Home

Candomblé

Umbanda

Kimbanda

Horóscopo

Bruxaria
Esoterismo
Consulta Taro
Numerologia
Simpatias
Galeria de Fotos

Filiação

Bate Papo

Informativo
TV Fietreca
Cursos / Palestras
Apostilas
Leis
Notícias

Orientação Espiritual

Jogo de Búzios

Exu Capa Preta

Exu Marabo

Pombagira Zaira

 

 

 

 

   Aries      Touro      Gêmeos    Câncer      Leão       Virgem       Libra     Escorpião  Sagitário  Capricórnio   Aquário     Peixes
 
virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça,  virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça , virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça,  virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça , virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça,,  virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça,  ,

virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça , virgem, signo de virgem, horóscopo de virgem, horoscopo de virgem, horóscopo orixás, saber seu orixá, descubra seu orixá, qual meu orixa de cabeça ,